[:pb]Havia um soldado transgênero no exército romano?[:] 

[:pb]

Em 25 de agosto, Donald Trump assinou uma diretiva proibindo as pessoas transgêneras de se juntarem aos militares dos Estados Unidos. Isso reverte oficialmente as políticas inclusivas introduzidas durante o regime de Obama. A decisão de Trump foi, segundo ele afirmou em tweets anteriores, com base nos custos médicos e dificuldades que os transgêneros militares supostamente causaram.

A diretriz do presidente me colocou, como um estudioso de clássicos, em mente uma fábula bastante desconhecida que se acredita ter sido escrita no início da Roma imperial por um dos escravos libertos do imperador Augusto, Fedro. No relato fictício, um bárbaro ameaça as tropas do líder militar, Pompeu, o Grande. Todos têm medo de desafiar esse oponente feroz até que um cinaedus avança para se voluntariar para o combate.

Embora estranho para nós modernos, o cinaedus era uma figura familiar para gregos e romanos antigos, cuja identidade suscitou preocupações sobre ambiguidade de gênero.

O cinaedus e o comandante em chefe
O cinaedus era frequentemente mencionado em fontes clássicas por ser afeminado, ter comportamento sexual indesejável (na maioria das vezes, um desejo “chocante” de ser penetrado por outros homens) e o status ambíguo de sua genitália.

Esta figura foi mencionada pela primeira vez por Platão no século IV a. C., que fala um pouco que a vida do cinaedus era terrível, básica e miserável. Outros autores clássicos fornecem mais detalhes.

Martial, um poeta romano que escreveu no primeiro século d. C., por exemplo, descreve o pênis disfuncional de um cinaedus como uma “cinta de couro encharcada” em um epigrama. No mesmo século, o romancista romano Petronius sugere que o cinaedus e seus companheiros tiveram seus órgãos genitais removidos.

Na fábula de Fedro, o “cinaedus” é descrito como um soldado de grande tamanho, mas com uma voz rachada e uma caminhada diferente. Depois de implorar a permissão de Pompeu, seu comandante, o cinaedus entrou na batalha. Ele rapidamente cortou a cabeça do bárbaro e logo foi sumariamente recompensado por Pompeu.

O que o cinaedus revela hoje
Pense a fábula de Fedro e algumas semelhanças fáceis destacam-se com a situação hoje. O cinaedus é comparável a uma pessoa trans contemporânea, na medida em que sua expressão de gênero não combina as normas que sua sociedade — antiga ou moderna — espera do seu sexo atribuído no nascimento.

As fontes antigas gregas e romanas mostram um viés contra pessoas variantes de gênero, paralelamente às atitudes atuais de Trump.

Tanto a diretriz recente como a antiga fábula apresentam desconforto com a ideia de lutadores de gênero ambíguo, independentemente de qualquer situação real. E enquanto Trump proclama a exclusão de pessoas transgêneros com base em custos financeiros e rupturas, Fedro foi um pouco mais aberto sobre suas motivações.

Na fábula de Fedro, o cinaedus não é confiável. Ele é descrito como tendo roubado objetos de valor de Pompeu e depois fala sob juramento que ele não os têm. Uma conexão clara é feita entre “engano” de gênero e comportamento traiçoeiro.

Isso, eu acredito, é o mesmo pânico de gênero infundado que Trump está recorrendo para apelar para sua base conservadora.

Diversidade de gênero
Essa consistência de atitudes em milênios é bastante deprimente. Contudo, vale a pena considerar alguns pontos.

Existem diferenças notáveis ​​entre um cinaedus e uma pessoa trans. O cinaedus foi pensado como masculino, embora com masculinidade questionável. Ele é apenas descrito como sendo afeminado, nunca como se identificando com o gênero oposto ou vivendo como tal.

No meu próprio trabalho, uso o termo “diversidade de gênero” para apontar conexões soltas, mas ainda significativas, entre o antigo cinaedus com pessoas trans modernas e outras incluídas sob o guarda-chuva LGBTQI+.

A grande variedade de homens afeminados, mulheres masculinas, eunucos e indivíduos intersexuais mencionados em fontes clássicas sugerem que uma ampla gama de experiências era possível fora das normas tradicionais de gênero.

Há alguma evidência de masculinidade feminina na antiguidade. As mulheres míticas guerreiras da mitologia grega, as amazonas, poderiam ter tido alguma base em fatos históricos. Em seu livro “Amazonas pós-coloniais”, o estudioso do grego antigo Walter Penrose demonstra que as mulheres guerreiras eram predominantes e altamente valorizadas tanto nas culturas citocinas como nas cúpulas antigas.

E, embora os estudiosos clássicos tenham debatido se algum indivíduo da antiguidade tenha abraçado o estigma de ser chamado abertamente de cinaedus, uma série de recibos fiscais, letras e inscrições do templo do Egito greco-romano documentam homens identificados e especificados com o uso desse termo.

Sendo trans e adversidade sobrevivente
O cinaedus tem uma longa e persistente história. Sendo um tema de interesse para escritores como Platão no século IV a. C. até dos autores bizantinos no século 11, d. C., ele é um verdadeiro sobrevivente.

Como escreve o estudioso de gênero Jack Halberstam, as pessoas trans também sobreviverão às táticas de exclusão de Trump. Pois, como a pequena fábula de Fedro sugere, as pessoas de diferentes gêneros, em todas as idades, foram capazes de coisas poderosas e notáveis.

Como o soldado vitorioso cinaedus, elas podem confundir expectativas e obter resultados em algumas das situações mais adversas.

*Tom Sapsford é professor da Universidade da Califórnia do Sul, nos Estados Unidos. A matéria foi originalmente publicada em inglês no The Conversation.[:]

[Total: 0    Média: 0/5]